terça-feira, 14 de maio de 2013

CAMPANHA CONTRA TROTE VIOLENTO - OAB/SP



Estudante chora lágrimas de sangue em campanha contra trote violento

Com o slogan “Entrar na faculdade tem que ser motivo de alegria” , a ação visa mobilizar toda a sociedade

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), São Paulo,  lançou uma campanha de combate ao trote violento nas universidades. Criada pela  pela agência Agnelo Pacheco, ação tem o intuito de acabar com maus tratos, agressões e humilhações sofridas pelos calouros, além de sensibilizar os veteranos sobre a extensão dos danos causados por esse tipo de prática
Na metade do ano grande número de universidades e faculdades realiza processo seletivo e recebe novos estudantes em suas cadeiras e a ação busca engajar esse público. O slogan “Entrar na faculdade tem que ser motivo de alegria”  visa mobilizar toda a sociedade, passando pelo Judiciário, Ministério Público, Polícia Militar, entidades de classe, de ensino superior e centros acadêmicos.
Segundo Fábio Romeu Canton Filho, presidente da Caixa de Assistência dos Advogados de São Paulo (Caasp), braço assistencial da OAB-SP e Presidente da comissão contra o trote universitário, trata-se de um momento de comemoração para o aluno e para a família, que deve ser celebrado com alegria e sem violência. “Sabemos que trotes levam dor e tristeza para as famílias por conta da violência e até mesmo a morte de alguns destes jovens. Por esse motivo não devemos tolerá-los no meio estudantil”, afirma. Canton Filho alerta que diversas ações judiciais podem ser impetradas pela vítima de um trote, sejam de ordem criminal - como lesão corporal ou homicídio -; sejam de ordem civil - como indenizações de ordem moral e material.
Para o presidente da OAB-SP, Marcos da Costa, é preciso mudar a cultura dos estudantes brasileiros. “Os trotes violentos devem ser banidos definitivamente e o combate deve ser feito por todos, a começar pelos alunos veteranos, que precisam se conscientizar sobre as consequências dessa violência. A punição aos agressores também deve ser exemplar! É um dever das universidades coibir o trote violento adotando medidas para prevenir e punir quem desrespeitar as regras impostas pela instituição de ensino. Não podemos aceitar que universitários atuem em desacordo com os princípios das profissões que pretendem adotar; afinal, muitos desses alunos serão responsáveis pela vida das pessoas, pelo bem estar da comunidade e precisam ter essa consciência desde o início de sua formação profissional”, finaliza da Costa.

FONTE PORTAL ADMINISTRADORES

Nenhum comentário:

Postar um comentário